A Bahia é o 4º maior produtor de cebola do País e plantio da cebola segue na contramão da crise

07/09/2015 10:10

A cebola tem feito os produtores baianos dessa hortaliça sorrirem à toa. O produto, que no ano passado chegou a ter o quilo comercializado a R$ 1,40 - metade do preço normalmente praticado -, bateu o valor de R$ 7 no primeiro semestre de 2015.

A alta da cebola foi de cerca de 150%, entre julho de 2014 e o mesmo mês desse ano. Mesmo com uma queda de 13% nas últimas semanas, por conta das colheitas de agosto no Sudeste,  Nordeste e em Goiás, a estimativa é de que o preço ainda se mantenha elevado pelos próximos meses, ainda que um pouco mais baixo do que o valor atual.

"Estamos navegando na contramão do Brasil. Aqui não se sente a crise", diz Rogério Cleber Viana, que há 20 anos planta a hortaliça em João Dourado, microrregião de Irecê.

"O lucro que a cebola deu, esse ano, foi ímpar. Nunca vi igual", ratifica o produtor do mesmo município, Diamerson Cardoso.

A região de Irecê é uma das mais produtivas do País nessa cultura. Municípios como João Dourado, Cafarnaum e América Dourado estão sentindo os efeitos da valorização da hortaliça.

A Bahia, aliás, é um dos principais produtores de cebola  do Brasil, ficando atrás de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo.

"O gasto para produzir, por hectare, é de R$ 30 mil. Em 2014, a gente apurava R$ 60 mil por hectare. Esse ano, deu para fazer R$ 150 mil", compara Rogério.

Esse quadro tem provocado o aumento da área plantada na região de Irecê, entre 20% e 30%, estima-se.

Cautela

Mas, apesar do bom momento, há quem veja o futuro com cautela. Diamerson Cardoso acredita que o aumento da área plantada  de cebola pode gerar uma super oferta, o que rebaixaria o preço desse produto no mercado.

Ele, que costuma plantar  tomate em 60% da sua área, reservando o restante à cebola, pensa em aumentar para 70% a proporção do tomate no próximo ano.

O secretário executivo da Câmara Setorial de Hortaliças da Bahia, Evilásio Fraga, destaca, além do aumento da área plantada e dos custos de produção mais altos por causa da valorização do dólar, o problema de escassez hídrica na região. Esse recurso é fundamental já que o cultivo  é irrigado.

"Irecê, há três anos, estava de pires na mão. Nesse inverno, a recuperação dos lençóis freáticos melhorou. Mas se não chover em novembro, os produtores vão estar com o pires na mão outra vez", avalia.

 

www.chorrochoonline.com

Informação entretenimento cultura e política

Fonte: A tarde uol


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!