A triste sorte do ladrão de galinhas

26/11/2014 08:47

                                               Carlos Chagas

 

José Peito de Pombo, marginal desrespeitado na própria comunidade onde foi criado, cumpre sentença criminal no presídio da Papuda, como ladrão de galinha, O Defensor Público entrou com pedido de prisão domiciliar por haver o réu cumprido um sexto da pena a que foi condenado. O juiz das Execuções Penais negou, alegando que no buraco da favela onde ele antes vivia, inexistiam condições para abrigá-lo livre das más companhias, da venda de cachaça na birosca ao lado e do uso escancarado do crack entre seus vizinhos. Ficaria exposto à proximidade de outros delinquentes, correndo o risco de reincidir. Melhor que continuasse frequentando o ambiente sadio do cárcere.

O Defensor Público não se convenceu e requereu que o meliante fosse ao menos autorizado a passar dez dias na favela, para cuidar de seus negócios. Nova recusa, pois suas atividades, até a condenação, envolviam roubo de penosas e sua venda num caixote incrustado na feira. Por último, um pedido sentimental: que o Meretíssimo permitisse pelo menos ao preso passar o Natal em casa. Veio a última negativa, até porque o Papai Noel daquele recanto perdido do Distrito Federal encontrava-se detido por tentativa de estupro…

Pois é. Em nome da paz social e do bom funcionamento das instituições, o José Peito de Pombo cumprirá em regime fechado os anos a que foi condenado. Quem quiser que faça o paralelo entre o ladrão de galinha e os mensaleiros, evitando-se a citação de um em benefício dos demais. Quem quiser que explique a diferença entre os condenados, estes em casa, aquele na cadeia.

 

www.chorrochoonline.com

Informação entretenimento cultura e política

Fonte: Blog do Magno Martins

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!