BAHIA: O estado é um dos três do país a contar com a tecnologia canadense Ibis Trax 3 D

17/07/2015 20:44

 

Em todo o Brasil, apenas três estados, entre eles a Bahia, possuem a tecnologia do Ibis Trax 3 D, equipamento fabricado no Canadá que analisa as imagens de munição utilizada em crimes e organiza as informações em banco de dados. Isso torna possível descobrir se uma arma usada na prática de algum crime foi utilizada em outras ocorrências. 

Com três equipamentos funcionando desde 2007, outros três foram adquiridos e estão sendo instalados na Coordenação de Balística Forense, do Departamento de Polícia Técnica (DPT) da Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP). A munição de vários calibres e armas, como escopetas, metralhadoras, revólveres 38 e 40 é examinada pelos peritos, que fazem a imagem em 3D de cada uma delas. 

Toda arma deixa uma espécie de ‘impressão digital’ na munição - é aí que entra o uso do Ibis. Segundo a perita Margareth Tristão, da Coordenação de Balística Forense, “um delegado encaminha uma arma ou munição e o Ibis correlaciona outros casos ocorridos com a mesma arma e registrados no banco de dados. O Ibis já fez mais de 1,2 mil correlações. A mais famosa é a da chacina de Mussurunga, em Salvador, em que a arma foi relacionada a outras dez vítimas por meio do equipamento”. 

Inquéritos policiais e processos judiciais

As provas geradas pelo Ibis instruem inquéritos policiais, os quais, posteriormente, são utilizados como base para que o Ministério Público ingresse com ações penais no Poder Judiciário. Promotores e procuradores do Ministério Público do Estado participaram, nesta sexta-feira (17), de um workshop, promovido em parceria com o DPT, e puderam conhecer melhor o funcionamento do órgão e do equipamento. 

A aplicação de tecnologias na produção de provas oferece mais segurança para que promotores e magistrados possam realizar o seu trabalho, de acordo com o coordenador de Crimes Cibernéticos do Ministério Público da Bahia, Fabrício Rabelo Patury.

Ele afirma que antigamente as perícias de paternidade, por exemplo, eram feitas por RH sanguíneo e outras técnicas que não proporcionavam resultado conclusivo. “A partir do momento em que se conseguiu chegar ao gene, o DNA, alcançou-se 99,9% de probabilidade, o que praticamente eliminou a prova testemunhal, proporcionando sentenças muito mais rápidas e justas”. 

De acordo com Patury, “os equipamentos adquiridos estão chegando a este nível no DPT. Nós vamos ter provas periciais técnicas confiáveis, que vão dar ao Judiciário e a todos os atores da persecução penal a tranquilidade para se chegar a uma decisão final”. 

Secom  - Secretaria de Comunicação Social - Governo da Bahia


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!