MUNDO: HOMEM CONSEGUE SOBREVIVER DEPOIS DE SER ENFORCADO E DADO COMO MORTO

18/10/2013 08:18
Condenado sobrevive à forca no Irã e se recupera para ser 're-executado'
Imagem Ilustrada
 
Alireza M., 37, foi enforcado na semana passada na cidade de Bojnord, no norte do Irã, em cumprimento à sua condenação por tráfico de drogas. Depois de 12 minutos, foi declarado morto.
 
Na manhã seguinte, no equivalente ao IML (Instituto Médico Legal), um funcionário percebeu bolhas de ar no plástico que embalava seu corpo: ele estava vivo.
 
Enquanto a família do iraniano comemora, o Estado, segundo o jornal estatal "Jam-e-Jam", afirma que "reexecutará" Alireza M. assim que ele se recuperar do primeiro enforcamento.
 
Isso levou a Anistia Internacional a lançar ontem um apelo de clemência pela vida do condenado.
 
"Ele está em um hospital, mas um juiz foi citado dizendo que ele seria executado de novo uma vez que o pessoal médico confirme que sua saúde é boa o suficiente", diz o comunicado da Anistia.
 
"Não conseguíamos acreditar que ele estava vivo quando fomos buscar o corpo", disse um familiar ao jornal iraniano, citado pelo "The Guardian". "Mais do que qualquer pessoa, as suas duas filhas ficaram muito felizes", contou o parente.
 
A lei iraniana, afirma o "Guardian", diz que os condenados têm de estar conscientes e em relativa boa saúde antes de serem executados --as execuções de pessoas em coma ou de grávidas são adiadas.
 
Ainda segundo jornal, já houve casos em que pessoas que sobreviveram a apedrejamento tiveram suas penas de morte comutadas.
 
"A perspectiva de este homem enfrentar um segundo enforcamento, quando já passou por todo o processo uma vez, sublinha a crueldade e desumanidade da pena de morte", diz Philip Luther, diretor da Anistia para Oriente Médio e Norte de África.
 
Segundo a organização, que há décadas faz campanha pelo fim da pena de morte no mundo, acredita-se que em 2013 as autoridades iranianas tenham executado ao menos 508 pessoas, incluindo 221 casos que não foram oficialmente confirmados.
 
O país só fica atrás da China no tipo de sentença.
 
Em 2011, o país voltou a promover execuções em praça pública --guindastes fazem parte da aparelhagem das forcas--, após o governo recuar do banimento da prática anunciado em 2008.
Críticos do regime e militantes de direitos humanos atacam as execuções, noticiadas pela mídia local todas as semanas.
 
TRÁFICO DE DROGAS
 
No Irã, a maioria das penas de morte são destinadas aos que cometeram crimes ligados ao tráfico de drogas.
 
No caso de Alireza M., ele foi preso três anos atrás carregando um quilo de metanfetaminas. "É natural que o Irã combata os graves problemas sociais e econômicos ligados ao tráfico, mas basear isso na pena de morte é um erro", diz Luther.
 
 
www.chorrochoonline.com
CONECTADO COM VOCÊ
Fonte: Folha

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!