Uso de remédio para impotência sem indicação pode prejudicar a ereção

26/02/2014 18:09
 

disfunção erétil é a dificuldade de manter uma ereção com uma qualidade suficiente para a atividade sexual. Apresenta alta prevalência em homens após os 40 anos e está associada a diferentes causas: psicológico, alterações arteriais, diabetes, alterações hormonais, idade, obesidade, cirurgias, entre outras. Em geral consideramos que a disfunção erétil é geralmente associada a múltiplas causas. 

Existe um grupo de drogas chamadas de inibidores da fosfodiesterase-5 (PDE-5). Através de sua ação, esta droga leva ao aumento de substância dentro dos corpos cavernosos (tecido erétil do pênis) que proporcionam a vasodilatação e desta forma aumento o fluxo sanguíneo, facilitando a ereção. 

Aprovado para o uso no tratamento da disfunção erétil em 1998, o sildenafil, um desses medicamentos, tornou-se rapidamente popular em todo o mundo. Posteriormente outras drogas da mesma família foram comercializadas, que apesar de algumas diferenças quanto a efeitos colaterais e tempo de meia vida, apresentam basicamente a mesma forma de ação. 

A grande revolução das drogas inibidoras da PDE-5 foi a possibilidade da utilização de uma medicação oral realmente eficiente para o manejo da disfunção erétil. Antes os tratamentos medicamentosos para a disfunção erétil eram baseados no uso de vasodilatadores administrados através de injeções diretas no pênis ou por absorção através da uretra. Uma outra opção era a utilização de próteses. Ambos os tratamentos descritos ainda são amplamente utilizados e fazem parte do armamentarium (arsenal) do manejo da disfunção erétil, porém são utilizados apenas após a falha do tratamento medicamentoso oral inicial. 

Uso sem indicação

Apesar das recomendações, hoje temos uma geração de pacientes jovens sem queixas de disfunção erétil que utilizam este tipo de medicação para melhorar o desempenho sexual e muitas vezes associam seu uso com o álcool e outras drogas de uso ilícito. Há um risco direto associado ao uso de um vasodilatador em pacientes que mesmo jovens podem apresentar doenças cardiovasculares não diagnosticadas, além do uso associado com outras drogas que podem ter os efeitos potencializados, o que pode levar a graves complicações, inclusive a morte súbita. 

Muitos homens inclusive se submetem ao uso de medicações que possuem efeitos colaterais que podem prejudicar a qualidade da relação sexual (dor de cabeça, alterações visuais, zumbido) sem uma real necessidade médica, apenas pelo desejo de provar a sua parceira a sua "qualidade sexual". Neste caso uma associação com o álcool, por exemplo, pode prejudicar os efeitos benéficos da medicação sobre a ereção, restando ao pacientes apenas seus efeitos colaterais. 

Outra preocupação, é que muitos destes homens jovens possam desenvolver algum tipo de dependência psicológica para o uso do medicamento, considerando que só podem ter a ereção com seu uso, e desenvolver diferentes graus de disfunção erétil psicogênica após a suspensão do uso destes medicamentos. 

Contraindicações gerais do medicamento

Os efeitos colaterais mais comuns no uso dos inibidores da PDE-5 são: cefaléia, rubor facial, dor lombar, congestão nasal, zumbido, hipersensibilidade a luz, palpitações distúrbios visuais e taquicardia. O seu uso combinado com nitratos (vasodilatadores utilizados no tratamento de cardiopatias) pode potencializar os efeitos hipotensores levando as sérias complicações cardio-circulatórias. O priapismo (ereção prolongada e dolorosa) que pode levar a uma disfunção erétil definitiva e severa é raro com o uso isolado de inibidores da PDE-5, porém o uso associado de drogas pode potencializar esta chance, e há relatos desta intercorrência em pacientes jovens que utilizaram estas medicações junto com drogas como a cocaína. 

Muito cuidado deve ser tomado no uso de inibidores da PDE-5 em pacientes que utilizam nitrato, na presença de insuficiência hepática severa (função do fígado diminuída), insuficiência renal severa, hipotensão (baixa pressão sanguínea), e também em pessoas que sofreram um AVCrecentemente ou infarto e desordens retinais degenerativas hereditárias. 

O uso desta medicação deve ser realizado apenas após uma visita médica para que possa ser definida a melhor forma de tratamento para a disfunção erétil, o melhor tipo de droga adequada às necessidades do paciente e principalmente para que sejam identificados fatores de risco, prevenindo-se complicações. 

CHORROCHOONLINE INFORMANDO BEM VOCÊ

Fonte: Minhavida.com.br

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!