Investimentos na rede de saúde para combate à Covid-19 vão trazer benefícios permanentes, afirma Rui

30/07/2020 21:57
Em entrevista coletiva, concedida por videoconferência aos jornalistas do Baixo e Médio São Francisco, nesta quarta-feira (29), o governador Rui Costa afirmou que “os investimentos feitos na Rede Estadual de Saúde para o combate ao coronavírus, como a criação de leitos de UTI, vão beneficiar permanentemente os baianos, mesmo após o término da pandemia”. Ele também destacou que as aulas serão retomadas assim que a pandemia entrar em processo de declínio no estado e explicou que a retomada econômica nos municípios depende da situação de cada cidade.
 
Rui disse ainda que, em toda a Bahia, mesmo nas cidades onde não há UTI, os baianos não ficaram desassistidos. “Nós colocamos UTI aérea para buscar os pacientes e trazer inclusive para Salvador. Então, na Bahia, não houve pacientes sem UTI, mesmo nas cidades onde os leitos estavam 100% ocupados”. Ele também explicou que o Estado fez uma opção de não investir em hospitais de campanha nem em testes rápidos. “Nós preferimos investir em estruturas que ficariam permanentes para o sistema de saúde”.
 
Sobre a Rede de Saúde, o governador informou que o Hospital do Oeste, em Barreiras, está recebendo uma ala de cardiologia, de alta complexidade, e outra de oncologia. “No hospital de Irecê já estamos implantando a área de hemodinâmica, que está em 40% [de conclusão], e estamos concluindo a licitação da unidade de câncer. Teremos a colocação desses dois serviços no hospital de Irecê”. Em Senhor do Bonfim, além da UPA e da policlínica que já estão em funcionamento, há a previsão de entrega para 10 de agosto da primeira etapa da reforma e ampliação do hospital, "que está concluída e significa os primeiros 20 leitos de UTI para a cidade, sendo 10 adultos e 10 infantis”. 
 
Segundo Rui, o Governo do Estado entrega ainda nesta semana a ampliação do Hospital de Juazeiro, com mais 20 leitos. “Também em Juazeiro, será inaugurada a Unidade do Tratamento de Oncologia, com o Hospital do Câncer”. Sobre a situação da pandemia em Juazeiro, o governador afirmou que houve grandes oscilações, momentos com maior e momentos com menor taxa de contaminação, e que a proximidade com Petrolina dificulta o controle. Ele ressaltou que havia um compromisso da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) para abrir leitos de UTI. “O reitor conseguiu os respiradores, mas o Governo Federal não permitiu a abertura desses leitos. Então, tivemos que reforçar as UTIs do Estado no local".
 
Testes rápidos
 
Sobre os testes rápidos, Rui explicou que o Governo do Estado distribuiu somente os que o Ministério da Saúde enviou, porque apresentam uma margem de erro grande. “Pessoas contaminadas podem testar negativo e essas pessoas vão encontrar com idosos, crianças, achando que não estão doentes, mas contaminando outras pessoas”. Segundo ele, a Bahia reforçou o volume de exames RT-PCR, padrão ouro na detecção do coronavírus. “Hoje, o Estado tem a capacidade de fazer quatro mil testes RT-PCR por dia. Nós somos o estado que mais testou no Brasil, ficando atrás apenas de São Paulo, e estamos mantendo esse ritmo”.
 
Atividade econômica
 
Rui lembrou que tem mantido reuniões diárias com os prefeitos das cidades que estão apresentando casos da covid-19. “A Bahia adotou, desde o início, ações por região e por cidades e não recomendou uma uniformidade para todo o Estado, justamente para minimizar os impactos econômicos destas medidas”.
 
De acordo com o governador, a orientação do Estado é baseada na presença e na taxa de disseminação da doença. “A gente vinha com uma taxa baixa de transmissão na Bahia, mas, com o São João, tivemos um aumento em mais de 100 cidades baianas, algumas onde não havia nem casos registrados. Eu imediatamente fiz reuniões com 116 prefeitos. Nós atuamos em comum acordo e conseguimos reduzir as taxas de contaminação”.
 
Volta às aulas
 
Sobre a situação dos estudantes, Rui comentou que, esta semana, mais de 750 mil recebem terceira parcela do vale-alimentação. “Quando houver a certeza de que a taxa de contaminação está declinando na Bahia, as aulas retornarão”. Informou também que tem feito pelo menos duas reuniões por semana com a Secretaria da Educação para facilitar o processo de volta às aulas. “Eu solicitei a revisão de banheiros, colocação de pias extras, distribuidores de álcool em gel nas paredes, medidas de higiene para a merenda escolar e um planejamento que passará a dividir as turmas em duas, para termos no máximo 20 alunos por sala”.
 
O governador falou ainda sobre a dificuldade de implantar o ensino à distância para a rede estadual. “Há lugares onde é possível fazer educação via internet. Mas, em regiões com altos índices de baixa renda, o problema é maior. Na Bahia, em muitos lugares, não temos internet nem sinal de celular. E estamos ampliando as redes de celular, com o programa Fala Bahia. Também já autorizei os diretores a contratar os provedores locais no mínimo de 50 megas e no máximo 100 de internet, para usarmos a tecnologia na retomada das aulas”.
 

Foto: Reprodução


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!